sexta-feira, 22 de maio de 2009

MEC - VALORIZAR LEITURA É PROPOSTA PARA NOVO ENSINO MÉDIO

Valorização da leitura será peça chave do novo ensino médio proposto pelo MEC

Da Redação*
Em São Paulo

O ensino médio deve passar por grandes mudanças. E a valorização da leitura será a peça chave do novo currículo proposto pelo MEC (Ministério da Educação). "A leitura dá autonomia no aprendizado, na escola, na universidade e no mundo do trabalho", argumenta Maria Eveline Villar Queiroz, coordenadora geral do ensino médio no ministério.

Colocar a leitura no centro do currículo, segundo Maria Eveline, tem o objetivo de preparar o cidadão para ter êxito tanto nos estudos como na vida. Para ela, às vezes, a dificuldade do estudante está na forma de ler e de interpretar os códigos e não propriamente no conteúdo da disciplina.

· Estudantes animam-se com flexibilização do ensino médio

· Proposta do MEC para ensino médio é "interessante"

· Câmara aprova merenda escolar para ensino médio

· Conselho Nacional de Educação vai fazer audiências sobre reforma

· "Mensalidade" pública do ensino médio precisa subir, diz especialista

· Enem será obrigatório para estudantes da rede pública a partir de 2010

· Melhor do Brasil no Enem 2008 tem ensino integral e faz prova aos sábados

O programa também quer oferecer uma escola mais atrativa para o aluno e, assim, reduzir os índices de abandono. Entre as inovações que o MEC sugere estão a ampliação da carga horária dos três anos do ensino médio para três mil horas (hoje são 2.400 horas); a leitura como elemento central e básico em todas as disciplinas; estudo da teoria aplicada à prática; fomento às atividades culturais; professor com dedicação exclusiva.

Estatísticas

Dados do documento sobre o programa Ensino Médio Inovador, extraídos da Pesquisa Nacional de Amostragem de Domicílio (Pnad 2006), indicam que dos 10,4 milhões de brasileiros de 15 a 17 anos, mais de 50% não estavam matriculados no ensino médio naquele ano. A mesma Pnad revela que o acesso ao ensino médio é desigual entre grupos da população: apenas 24% de jovens na faixa etária de 15 a 17 anos, dos 20% mais pobres, estão no ensino médio, enquanto que entre os ricos o índice é de 76,3%.

Quando o ensino médio é analisado por região, a Pnad também retrata desigualdades. No Sudeste, 73,3% dos jovens na faixa de 15 a 17 anos estão no ensino médio, mas no Nordeste, esse índice cai para 33,1%. A Secretaria da Educação Básica também buscou na pesquisa Juventude e Políticas Sociais no Brasil, realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2005, dados para traçar outro quadro que oferece aos integrantes do fórum: naquele ano, 34% dos jovens de 15 a 17 anos ainda estavam no ensino fundamental; 17% dos jovens nessa faixa etária não estudavam; e na faixa de 18 a 24 anos, 66% não estudavam. Os motivos da evasão, diz a pesquisa, se concentram em duas situações: 42,2% dos homens deixam a escola para trabalhar, e 21,1% das mulheres, por causa de gravidez.

Discussão em Brasília

O Fórum dos Coordenadores Estaduais do Ensino Médio e a Secretaria da Educação Básica do Ministério da Educação discutem, na próxima semana, o novo Enem e mudanças no currículo do ensino médio. A reunião será em Brasília, nos dias 25 e 26.

No encontro com os integrantes do fórum, o MEC vai apresentar o Ensino Médio Inovador, que é um programa de apoio técnico e financeiro oferecido às redes estaduais que desejam melhorar a qualidade do ensino. Para receber o apoio, diz a coordenadora, o estado precisa aderir e apresentar um projeto.

O diretor de avaliação da educação básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Heliton Ribeiro Tavares, vai apresentar o novo Exame Nacional do Ensino Médio, proposto pelo MEC. Os modelos de provas, o número de questões, a segurança da aplicação, o calendário. No mesmo encontro, o fórum vai saber do andamento do debate sobre a revisão das diretrizes curriculares do ensino médio. Esse tema será abordado pelos consultores Antônio Flávio Barbosa, da PUC-RJ, e Alfredo Veiga Neto, da UFRGS.

*Com informações do MEC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário